15/08/2014 – Entrevista ao presidente Jorge Pina

Jorge Manuel Pina Pacheco, nascido em Rio Tinto há 48 anos, assumiu recentemente os destinos do nosso Sport Clube de Rio Tinto, concedendo-nos a 1a. entrevista do seu mandato como Presidente da Direção do Clube e que agora aqui partilhamos:

 

SCRT – Antes de mais, gostaríamos de o felicitar a si e aos restantes membros da Direção, por terem tomado posse dos destinos do Clube recentemente. O Presidente já fez parte de outras Direções… Fale-nos um pouco do seu papel nas várias direções de que fez parte e do que o levou a assumir a “cabeça” de uma lista para estas eleições? Sentiu que era o momento certo?
JP – Já estou no Sport Clube de Rio Tinto desde os meus 18 anos, onde exerci várias funções. Este era o momento certo para assumir a Direção do Sport Clube de Rio Tinto, porque realmente não se vislumbrava nenhum associado para assumir o Clube, mas também, porque já estou nesta coletividade há muitos anos, tendo feito parte de outras Direções. Passamos muitas dificuldades e senti que agora tinha de assumir os destinos deste Clube.
Os obstáculos são muitos e o que falta neste Clube são pessoas! As pessoas que venham para este clube são sempre bem-vindas. Precisamos de juventude, só assim conseguiremos colocar o Sport Clube de Rio Tinto noutro patamar.

 

SCRT – Como qualifica os anos que leva de casa? Que momentos gostaria de destacar, positivos e negativos?
JP – Deixe-me dizer que eu gosto de enfrentar as dificuldades, porque se fosse tudo fácil não faltavam pessoas no Sport Clube de Rio Tinto.
Já passei por momentos positivos e negativos, mas as subidas de divisão foram os momentos mais positivos. Negativos houve alguns, mas o que fica é o que se aprende com esses momentos menos bons.

Entrevista ao presidente Jorge Pina

SCRT – Na tomada de posse, disse que, “não iria prometer nada, mas que esta Direção iria continuar o trabalho realizado pelos anteriores corpos dirigentes”. Fale-nos um pouco desse trabalho.
JP – É um trabalho muito doloroso. É dar continuidade ao que as outras Direções fizeram por este Clube. Não se pode criticar ninguém, pois quem passa, ou passou por cá empenha-se bastante e sente muitas dificuldades.

 

SCRT – Quais os objetivos que o Senhor e a restante Direção esperam alcançar nestes dois anos à frente dos destinos do Clube?
JP – Os objetivos que nos propomos fazer é deixar o Clube estável, quer em termos financeiros, quer em termos administrativos e a nível desportivo tentar fazer a melhor classificação possível em todos os escalões do Clube.

 

SCRT – Qual é a situação financeira do clube?
JP – A situação financeira do Clube exige uma grande concentração, nomeadamente a nível dos custos, pois se não houver rigor na gestão diária, facilmente nos deparamos com situações muito delicadas, mas, estamos cá para tentar melhorar essa situação e fazer o melhor pelo Clube.

 

SCRT – Já está definido o orçamento para a próxima época? Qual é o valor, aproximadamente? Que orçamento seria necessário termos para lutarmos pelo título e conseguirmos estabelecermo-nos numa divisão acima?
JP – O orçamento ronda os 100 mil euros. É muito difícil, pois com um valor dentro desse género podemos conseguir fazer coisas bonitas. Isso depende muito da equipa. Muita das vezes com pouco dinheiro fazem-se coisas boas e com muito dinheiro fazem-se coisas horríveis.

 

SCRT – Nas últimas eleições, só 120 associados exerceram o seu direito de voto. O que pensa que o clube pode fazer para chamar mais pessoas ao estádio e a participar na vida ativa do clube?
JP – Qualquer organização é aquilo que as pessoas que dela fazem parte, querem e desejam para essa mesma organização, neste sentido e tal como referido atrás, os Associados do Sport Clube de Rio Tinto, têm o dever de participar na vida ativa do Clube, pois só essa colaboração conjunta trará benefícios futuros.

Entrevista ao presidente Jorge Pina

SCRT – Um dos temas que já se prolonga há vários anos é a construção do campo de treinos. O que nos pode avançar sobre este assunto e o que está a ser feito para isto ser uma realidade?
JP – Não é fácil estar a falar sobre esta situação, pois neste país, as pessoas gostam de prometer muito, mas têm muita dificuldade em cumprir com essas promessas, pois o dinheiro escassa.
Temos tentado falar com a Câmara Municipal de Gondomar para tentar resolver este assunto. A Câmara apresentou ao QREN para ver se consegue fazer 5 campos de relva sintética, no qual o Sport Clube de Rio Tinto poderá ser um dos contemplados, vamos aguardar. É um dos objetivos do meu mandato.

 

SCRT – Fale-nos do plantel que vai atacar a época 14-15. Saíram jogadores com alguns anos de casa… que pode dizer dos reforços e do que podemos esperar da equipa?
JP – Os jogadores que saíram, alguns de livre vontade, outros porque estavam em final de carreira, eu, em conjunto com a equipa técnica tivemos o cuidado de preparar uma equipa para um campeonato muito duro e tentar ir contratar alguns reforços de qualidade. Com esta equipa penso que podemos fazer um campeonato tranquilo.

 

SCRT – E irá haver mais alguma novidade no plantel?
JP – Se surgir alguma possibilidade, com certeza que a vamos aproveitar. O Clube não tem grandes possibilidades financeiras. Temos de fazer as coisas com pés e cabeça.

Entrevista ao presidente Jorge Pina

SCRT – Quantos jogadores que terminaram a época nos juniores irão fazer parte do plantel Sénior?
JP – 4.

SCRT – Tem-se sentido um esforço, nomeadamente da Direção que cessou funções, para melhorar os fatores de ensino/aprendizagem quer na Academia, quer na formação de competição, contudo, continuamos a assistir a alguns problemas de ordem organizacional. Que ações pensa tomar, no sentido de colocar a nossa formação, de uma vez por todas, a “produzir bem”, de forma a que num futuro próximo seja o “maior fornecedor” do nosso plantel Sénior?
JP – Tenho a noção de que temos um caminho a percorrer, contudo, em termos organizacionais, o Clube tem dado passos certos e seguros no sentido de melhorar a qualidade da nossa gestão interna. Conheço razoavelmente os Clubes, nossos “concorrentes” e quero deixar aqui uma nota de que o Sport Clube de Rio Tinto, tem já um nível de organização invejável, mas, como disse atrás, temos sempre aspetos a melhorar e sobretudo a inovar e estaremos cá para o fazer.
Se tivéssemos um campo com melhores condições para as camadas jovens, os miúdos não iriam embora e o plantel sénior já teria colhido muitos valores da formação, mas até agora não tem sido fácil.

 

SCRT – O Clube, no passado não aproveitou a maior parte dos jogadores que saíram da formação. Há um alinhamento equipa técnica/direção no sentido da aposta nos “jogadores da casa” ser mais expressivo?
JP – Há e sempre houve! Mas o grande problema de muitos dos jovens da nossa formação é que têm de ter o sentido de responsabilidade e nós
tentamos incutir isso neles.
A mensagem que eu lhes passo é que trabalhem, que não desistam, que ganhem responsabilidade, pois chegando aos seniores já estão noutro
patamar.

Nós estamos cá para os ajudar e incentivar!

 

SCRT – Um dos mais carismáticos jogadores do clube, nas últimas décadas, o Miguel, terminou a sua carreira como jogador. Vai ficar ligado ao SC Rio Tinto noutra função?
JP – Claro que sim! A função dele agora é de Secretário Técnico no Departamento de futebol sénior.

Entrevista ao presidente Jorge Pina

SCRT – Por último, deixe uma mensagem aos sócios e simpatizantes do SC Rio Tinto.
JP – A mensagem que eu deixo aos Associados e simpatizantes é que continuem a apoiar o Clube, que apareçam e que também deem ideias que
nós estamos abertos a essas ideias.

Aproveito esta oportunidade para agradecer à Câmara Municipal de Gondomar, à Junta de Freguesia de Rio Tinto, à Junta de Freguesia de Baguim do Monte, à Clinica de Rio Tinto ( Dr. Paulo Amado ), às empresas que têm colaborado connosco, e aos nossos Associados e simpatizantes que têm dado uma ajuda fundamental na vida quotidiana do Clube de forma ativa e graciosa.

Força Sport Clube de Rio Tinto!

Comentários